Pesquisar este blog

domingo, 30 de outubro de 2011

Cinco dicas para escolher produtos sustentáveis.

São muitas as opções, embalagens coloridas, promessas de felicidade instantânea... O universo do consumo é, de fato, muito sedutor. Mas como separar o joio do trigo? Como escolher as alternativas que minimizam seu impacto ambiental?


Carrinho de supermercado. Fonte: site Visão Regional.

Pensando nisso, o presidente do Grupo Sustentax¹, Newton Figueiredo, elaborou estas dicas para facilitar a escolha do consumidor.
Seguindo estas dicas, você direciona a sua visão aos produtos sustentáveis na hora das compras.
São elas:
          
   1. Compre produtos da região onde você mora

Primeiro, olhe a etiqueta onde há a informação da origem do produto. Dê preferência aos fabricados na sua região. Quanto mais longo for o caminho da fábrica até o posto de venda ou mercado, mais caro será o produto e maior será a poluição que vai ficar no meio ambiente - solo,água ou ar.

   2. Composição dos produtos

Segundo Figueiredo, é importante verificar se o que está escrito na frente da embalagem realmente consta na composição. "Se comprar pão de queijo, por exemplo, confira na sua composição se ele realmente possui queijo".

   3. Conteúdo x Embalagem

É importante saber se a embalagem é tóxica, se há algum produto agressivo à saúde.
“Uma prática que está se tornando comum é reduzir embalagens e aumentar o percentual reciclado, para estimular a venda desses produtos como ‘mais sustentáveis’. Cuidado”, alerta Figueiredo. “Nessa lista existem produtos nada ecologicamente amigáveis e outros agressivos à saúde humana”.

   4. Selo de sustentabilidade

Outra maneira de identificar produtos mais sustentáveis é através dos chamados Selos Verdes, como o Procel (eletroeletrônicos), o FSC e CERFLOR (madeiras e papéis), o SustentaX (produtos e serviços), IBD e EcoCert (orgânicos). “Os selos são uma forma de mostrar ao mercado que os produtos passaram por análise rigorosa para sua obtenção”, explica.

Cuidado com a picaretagem verde!

Alguns fabricantes lançam mão de estratégias para enganar o consumidor. Para que você não caia nessa, aqui vai uma lista das mais comuns:


  • Selos emitidos pelos próprios fabricantes do produto não são isentos;
  • Uso de termos genéricos, como “100% natural”, “100% ecológico”, “eco”, “amigo da natureza” (eco-friendly), etc;
  • Informações sem comprovação imediata ou termos científicos. Por exemplo, dizer que o sabão em pó pode reduzir o consumo de água ou que um amaciante economiza energia;
  • Informações redundantes, como testes e dados obrigatórios. Por exemplo, detergente “testado dermatologicamente” ou um azeite com zero de colesterol;
  • Excesso de imagens da natureza, como muita árvore e animais;
  • Dizer que o produto é “neutralizado” em carbono. “Desconfie da simples neutralização, que não torna o produto sustentável”, ensina Figueiredo. “A neutralização é válida após a revisão e efetiva redução dos impactos ambientais da cadeia produtiva. É o final e não o começo”.
  • Produto concentrado, afinal, “só porque foi retirada a água do produto, isso não o torna ‘verde’. É importante que não faça mal à saúde”, destaca.
  • Dizer que o produto não tem cheiro não significa necessariamente algo. Ou, como salienta Figueiredo: “O importante é o fabricante demonstrar que o produto apresenta baixa toxidade por critério reconhecido”.
Se o produto escolhido não tiver selo de sustentabilidade, fique atento a mais algumas dicas de atributos essenciais à sustentabilidade:

1. Evite produtos com odores (o cheiro origina-se de componentes orgânicos voláteis que fazem mal à saúde);
2. Procure itens com qualidade comprovada, como uma tinta que não tem teste de aderência e na primeira lavagem sai na esponja;
3. Questione a procedência, para saber se a empresa é confiável, não usa trabalho infantil ou escravo e realiza uma produção legal, por exemplo;
4. Procure marcas nas quais você identifique ética e genuinidade na comunicação.

Nunca deixe de pesquisar sobre a empresa, se ela faz ou não testes em animais e outras informações importantes.

Até amanhã, amig@s!

¹ Fonte: InfoMoney / UOL economia.

sábado, 29 de outubro de 2011

"O sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão".

A frase acima, dita no fim do século XIX no sertão baiano, por Antônio Conselheiro, não deve demorar muito a tornar-se realidade.


A Revista Ilustrada, de Angelo Agostini, veículo de propaganda republicana durante o Império, retratava Conselheiro de forma caricatural, com séqüito de bufões armados com velhos bacamartes, tentando "barrar" a República.
Exemplo de como a imprensa da época reagiu ao messianismo. Fonte: Wikipédia.

Segundo pesquisa divulgada pelo jornal Estado de São Paulo, especialistas dizem que se o consumo e a ocupação das dunas continuar crescendo no mesmo ritmo dos últimos anos, a escassez total de água e comida acontecerá no litoral nordestino em cerca de dez anos.
As dunas funcionam como um filtro, protegem o aquífero das impurezas. Mas elas são sensíveis e todos as ocupam, do turismo à indústria de energia eólica, como explicou Luis Parente Maia, diretor do Instituto de Ciências do Mar, da Universidade Federal do Ceará.
As partes mais sensíveis são as arenosas, porque contém menos argila na sua composição. Mas na região de Fortaleza já existem níveis bastante preocupantes de coliformes fecais, o que ameaça todas as formas de vida locais.

Dunas de Fortaleza. Fonte: blog Anarcofagia.

O excesso de residências e balneários construídos à beira-mar é alarmante. Na maioria dessas regiões tão importantes à manutenção do equilíbrio natural costeiro não há coleta de lixo, e os resíduos do consumo humano são enterrados na areia, o que contamina o solo e, consequentemente, a água.
"Só temos água boa onde há duna, pois aqui, nessa região, não temos bacia sedimentar. O fundo é granito e lá já há água salgada por natureza. Mas há um problema adicional: a superexploração da água. Todo mundo bombeia sem nenhum controle. O espaço antes ocupado pela água doce, que foi retirada, acaba invadido pelas águas salgadas do mar", explica Maia.
E parece que a tendência é piorar. O complexo industrial e portuário de Pecém já está em fase de ampliação, e o que costuma ser um problema sazonal será um transtorno constante. As cidades de Pacheco, Cumbuco e Icaraí já têm seus ecossistemas seriamente comprometidos.

Estudo recente diz que 60% das praias de Fortaleza estão poluídas. Foto: Daniel Aderaldo/iG

Outro problema é o excesso de poços cavados sem preparo algum, onde a água é puxada com baldes de manteiga enferrujados, contaminando toda a água de uma região que se estende de Belém (PA) até Fortaleza (CE).
E o que o governo tem feito a respeito? Nada. Pelo contrário, concede licenças ambientais para que uns poucos lucrem com a total devastação dos recursos naturais, bem público de uma região inteira do nosso país.
Preste muita atenção em quem vai votar. Cobre, mesmo se você não é nordestino. Como cidadãos brasileiros, temos o direito de viajar pelo nosso país e usufruir de toda a beleza natural que nosso país sempre teve.
A população local vai sofrer muito em pouquíssimo tempo, já que boa parte da economia local gira em torno do turismo e da pesca.
E o Cid Gomes, governador do estado do Ceará, disse semana passada que professor tem que dar aula por paixão, não por salário. O senhor e todos os demais gestores deste estado deveriam ter pago umas aulinhas extras de educação ambiental, assim talvez soubessem o que fazer com este ecossistema riquíssimo que têm nas mãos.

Até amanhã, amig@s!

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Dica de Reciclagem: Absorventes.

Você sabia que é praticamente impossível reciclar absorventes usados? E que seu tempo de decomposição na natureza ainda nem foi estudado, de tão longo que é?

Absorventes tradicionais. Fonte: Blog da Laizinha.

Semana passada, uma amiga me mandou por email a solução para este problemão ambiental que todas nós, mulheres causamos todo mês: absorventes reutilizáveis! Não, não é nojento.
O nome do produto é Miss Cup e, como o próprio nome diz, tem o formato de uma taça. É feito de silicone medicinal hipoalergênico, portanto não há rejeição do corpo e você pode usar por 12 horas seguidas, se quiser.
É só retirar, lavar bem com água e sabão neutro, e usar de novo. O fabricante recomenda que se ferva o Miss Cup por 5 minutos entre um ciclo e outro.
Há dois tamanhos diferentes disponíveis, A e B, que você escolhe no site de acordo com suas características, mas ambos os tamanhos são compatíveis ao de um absorvente interno comum.

E o melhor: não vaza! Fonte: Miss Cup - Perguntas Frequentes.

Eu já encomendei o meu!

Até amanhã, amig@s!


quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Vitória vergonhosa dos ruralistas. Senado aprova lei que enfraquece o IBAMA.

Estes "excelentíssimos" senhores querem acabar com o Brasil em favor dos lucros de uns poucos latifundiários que controlam o agronegócio.
Infelizmente, os senadores ruralistas venceram de novo ontem. Aprovaram um projeto de lei de última hora por 49 votos a 7¹.


O projeto regulamenta o artigo 23 da Constituição, que define as competências de União, Estados e Municípios na fiscalização de crimes ambientais. A proposta inicial, do deputado Sarney Filho (PV-MA), tinha como meta estabelecer atribuições ao Município e ao Estado, a fim de facilitar o combate ao tráfico de animais.
De última hora, foi acrescentada uma emenda na Câmara onde o órgão responsável por fiscalizar e autuar desmatadores passa a ser o licenciador. Como quem concede o licenciamento para desmatar é o governo estadual, o Ibama perde seus poderes na prática.
Marina Silva (ex PV-AC) tentou a aprovação de três emendas que neutralizavam as que tiravam os poderes do Ibama, por entender que os Estados são mais suceptíveis a possíveis pressões políticas. Nenhuma foi aprovada, graças à "digníssima" senadora Kátia Abreu (ela de novo!), do PSD-TO, relatora da Comissão de Constituição e Justiça (!?!).
Dou um doce para quem adivinhar a outra atividade desta moça. Empresária pecuarista.
Agora você entendeu tudo, né?

Foto da empresária pecuarista Kátia Abreu. Fonte: Wikipédia.


A senadora que estampa a foto acima é uma das principais pessoas interessadas em promover o desmatamento, em nome desse lucro fácil e imediato.
Já está provado que não é mais necessário desmatar um m² sequer neste país, já estamos saturados disso. Pode-se plantar para abastecer todo o mercado interno e manter a exportação (o que já nasceu errado há 500 anos, mas os políticos teimam em manter o modelo agroexportador) com as áreas já desmatadas.
Acontece que há muita terra ociosa nas mãos de uns poucos, e já existe muita tecnologia disponível. Alguns biomas brasileiros favorecem naturalmente a plantação em conjunto e ainda auxiliam as plantações com seus nutrientes naturais, como o Cerrado (ou mata seca).


Sarney Filho (PV-MA). Fonte: Site Oficial.

Olho nesse pessoal, gente! Eles não podem perpetuar esse modelo "coronelístico" enquanto cruzamos nossos braços. Vejam as declarações dos ruralistas:

"Vamos tirar essas prerrogativas ditatoriais do Ibama. O Ibama quer parar o Brasil, não vai parar, não!", vociferou Flexa Ribeiro (PSDB-PA).

Essa pérola é da Kátia Abreu: "Habituou-se no Brasil a achar que os órgãos federais são mais honestos que os estaduais e municipais. Não podemos tratar a Federação desta forma. O Ibama não é a Santa Sé, ele não está acima de qualquer suspeita, não".

E os Estados, dona Kátia? Estão acima de qualquer suspeita? Estamos de olho em vocês, não podemos deixar os ruralistas destruirem nosso bem mais precioso: a diversidade ecológica. O meio Ambiente é bem comum, e deve ser respeitado muito acima de propriedades e interesses escusos e privados.
Não votem em ruralistas em 2012!
Pesquisem o passado do seu candidato, essa é a melhor forma de livrar o Brasil dessa corja.

Até amanhã, amigos!

¹ Fonte: Folha Online - Cláudio Ângelo Márcio Falcão, de Brasília.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Onças-pintadas estão ameaçadas de extinção em todo o continente americano.

As onças-pintadas vêem seus territórios cada vez mais devastados a cada ano. A espécie ocupava originalmente desde o sul dos Estados Unidos até a Patagônia, passando por toda a América. Hoje, há raríssimos exemplares no México, Brasil, Guianas e Argentina.

Onça-pintada caçando. Fonte: blog Animais Selvagens.

Na Argentina, por exemplo, estima-se que apenas 50 exemplares habitam as selvas locais. O Projeto Jaguar (como também são conhecidas as onças-pintadas) monitora desde 2003 uma das populações argentinas.
Todos os anos eles costumam registrar através de uma coleira com GPS em torno de três exemplares. Este ano, não conseguiram ainda nenhum, reflexo do desmatamento e da caça que, embora ilegal,  ainda é uma prática muito comum em algumas regiões do Brasil, das Guianas e da Argentina.
A intenção do Projeto é mostrar como a agricultura e a pecuária em larga escala afetam as onças.
 
Mamãe jaguar e seus filhotes. Fonte: Globo Amazônia.

A situação é preocupante, pois segundo a WWF (World Wildelife Foundation) há apenas 15.000 onças-pintadas vivendo nas selvas americanas.  Não há a menor preocupação de nenhum governo para protegê-las. Até agora, o que temos visto são apenas palavras, escritas ou não.
Se não começar já a mobilização das Forças Armadas para defender os territórios ameaçados - pois é claro que já existe mapeamento da rota dos caçadores e das regiões que tendem ao desmatamento -, leis mais rígidas, fiscalização e monitoramento constante dos exemplares remanescentes, jamais será possível a preservação desta espécie tão importante ao equilíbrio natural das Américas.

Onça-pintada. Fonte: Coruja Web.

A matança das onças precisa ser interrompida. O caso da latifundiária Beatriz Rondon ainda está sem solução, e olha que entramos em contato com todos os órgãos competentes, através da ONG Cadeia Para Quem Maltrata Os Animais.
Polícia Civil Judiciária de Mato Grosso, Ouvidoria do Ministério Público de Mato Grosso,  Corregedoria do Ministério Púbico de Mato Grosso do Sul, Procuradoria Geral da República, OAB - MT, e OAB MT Sul.
Os "safaris" de sangue continuam, faça você também a sua parte. Cobre das autoridades competentes através do link "Beatriz Rondon".

Até amanhã, amigos!

¹ Fonte: Correio do Brasil.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Cataratas do Iguaçu e Amazônia são indicadas para estar entre as Sete Maravilhas da Natureza.

Duas regiões brasileiras foram escolhidas entre as 28 finalistas do concurso "Sete Maravilhas da Natureza"¹ .
As Cataratas do Iguaçu, cujo comitê lançou uma nova campanha de votação; e a Amazônia, que anda bem destruída, como todos sabemos. Mas talvez o governo federal olhe mais por essa região se ela estiver entre as Sete... Talvez...

Cataratas do Iguaçu. Fonte: Loumar Turismo.

A nova estratégia adotada na campanha das Cataratas é o Facebook. Através da página #VoteiCataratas, você pode participar do concurso cultural onde serão premiadas as 20 frases mais criativas sobre as Cataratas. Passagens aéreas, hospedagens e ingressos para o Parque nacional. Quem não quer?
Neste momento brasileiros se unem a argentinos, já que esse belo patrimônio natural é binacional.

Cataratas. Fonte: Destinos de Viagem.

O superintendente do comitê, Gilmar Piolla, garante que não há concorrência com a Amazônia: “A outra brasileira não é uma concorrente, mas aliada.  São belezas diferentes, podemos fazer parceria com a candidatura da Amazônia”, disse.


Floresta Amazônica. Fonte: New 7 Wonders.

Você pode ajudar na escolha das Cataratas clicando aqui. Para votar na Amazônia, vá ao site indicado na foto. A página está toda em inglês.

Votem nos dois, quem sabe o Brasil sai ganhando duplamente?

Até amanhã, amigos.

¹ Fonte: DDonline.


domingo, 23 de outubro de 2011

Carta de um animal a seu dono.

Preciso compartilhar com vocês esta mensagem que recebi através do amigo Célio Maciel.
Divulguem, pois a cada dia aumenta mais o número de cães abandonados à própria sorte (ou falta dela) nas ruas das grandes cidades.
Qualquer um que tiver um pouco de amor no coração vai se emocionar.

Padre Thomasz Per Amore dei Nostri Freatelli Animali. Fonte: Facebook.


"Meu amado dono,
Minha vida deve durar entre 10 e 15 anos, já estou com alguns anos.
Qualquer separação é muito dolorosa para nós. Não fique zangado por muito tempo e não me prenda em nenhum lugar como punição.
Você tem seu trabalho, seus amigos e suas diversões.
EU SÓ TENHO VOCÊ!
Fale comigo de vez em quando. Compreendo muito bem o seu tom de voz e sinto tudo o que você está dizendo. Ficará gravado em mim para sempre, jamais esquecerei.
Antes de me bater por algum motivo, lembre-se que tenho dentes que poderiam feri-lo seriamente, mas que jamais vou usá-los em você. Jamais!
Antes de me censurar por estar preguiçoso ou teimoso, veja antes se há alguma coisa me incomodando. Talvez eu não esteja me alimentando bem. Posso estar resfriado ou, ainda, meu coração pode estar ficando mais fraco…
Cuide de mim quando eu ficar velho e cansado – Por favor NÃO ME ABANDONE!
Tudo é mais fácil para mim com você ao meu lado.
Me ame, pois independente de qualquer razão, eu lhe amarei para sempre!"

Até amanhã, amigos!

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Dica de Reciclagem: Vidro.

Vidro é um material que não tem tempo determinado para decomposição no ambiente. Ele não é um material diretamente nocivo, isso o torna um dos mais reciclados e reaproveitados do mundo.


Garrafas de vidro recicladas. Fonte: O Artesanato.

Em alguns países, como a Índia, o governo incentiva a reciclagem cobrando taxas altíssimas pela fabricação de novas garrafas.
O reaproveitamento tem sido mais utilizado no país porque não há muitas empresas trabalhando no setor, justamente porque não há incentivo por parte dos nossos gestores.
A técnica mais utilizada de reaproveitamento é, sem dúvida, a pintura.
Ainda muito menina, via minha mãe fazer os mais diversos desenhos em potes de maionese para decoração. Ficavam lindos, em pouquíssimo tempo já não havia mais nenhum. Os desenhos eram sempre diferentes, ninguém tinha um pote igual ao outro.
Você não precisa ter talento para pintura, só bom gosto.
Quer aprender o artesanato nas garrafas da foto acima¹? Vamos aos materiais:
  • Uma corda fina
  • Álcool líquido
  • Uma garrafa de vidro
  • Um balde com água.
Técnica:

Por baixo do bico da garrafa, enrole a corda várias vezes; depois molhe-a com álcool e acenda a ponta dela com o isqueiro, com muito cuidado. Não deixe a mão molhada de álcool ao acender, passe um pano úmido antes.

Deixe a corda queimar por 20 ou 30 segundos e, rapidamente, enfie-a no balde com água. Assim você poderá quebrar o bico com um golpe leve, e o corte sairá totalmente limpo. Como se fosse lixado.

Agora, você pode dar asas à sua imaginação e deixar sua casa linda, colaborando com o meio ambiente.

Até amanhã, amigos!

¹ Fonte: site O Artesanato.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ministra do Meio Ambiente anuncia plano de conservação de animais ameaçados de extinção.

Izabella Teixeira anunciou esta semana a criação de um projeto que deveria conservar 220 espécies ameaçadas de extinção¹.

Alguns animais brasileiros ameaçados de extinção. Fonte: blog do Caio Pontes.

Esse plano prevê a conservação de 220 espécies, mas a lista vermelha contém 627. Ou seja, a maior parte dos animais em extinção da nossa fauna ficará de fora, pelo menos neste primeiro momento. As diretrizes deste projeto devem ser finalizadas até o fim do ano, e o maior tem previsão de ser concluido em 2014.

Casal de araras azuis. Fonte: Blogmail.

O Brasil vai sediar a Conferência Climática da ONU, em 2012. Aí está a explicação para a pressa em concluir os planejamentos, não podemos fazer feio. Os últimos presidentes vêm tentando a todo custo uma cadeira na Organização das Nações Unidas, isso é fato.
Outra preocupação do ministério é integrar as novas políticas nacionais de preservação aos estados. Cada governo terá que estipular individualmente regras para que a biodiversidade seja conservada. Segundo a ministra, a maior parte dos exemplares de espécies ameaçadas de extinção encontram-se em reservas nacionais.

Lobo-guará, o maior canídeo da América do Sul. Fonte: Portal São Francisco.

Os governos estaduais têm feito muito pouco ou quase nada em relação à preservação dos ecossistemas nativos de cada região. Fauna e flora vêm sendo degradadas em um processo cada vez mais acelerado, e só temos visto omissão por parte de todos os gestores. Dos municípios (salvo raríssimas e honrosas exceções) à União.
Um exemplo de negligência do poder público é o caso Beatriz Rondon. Enviamos emails para a OAB do Mato Grosso, do Mato Grosso do Sul, para a Polícia Civil Judiciária de Mato Grosso, Ouvidoria do Ministério Público de Mato Grosso, Corregedoria do Ministério Púbico de Mato Grosso do Sul, Procuradoria Geral Da República, em carta redigida pela ong Cadeia para quem maltrata os animais.
Nada foi feito, a latifundiária segue impune.

Tucano. Fonte: Cultura Mix.

O ministério também pretende incentivar o desenvolvimento tecnológico em conjunto com os trabalhos de gestão ambiental, para que um dê suporte ao outro. Uma boa oportunidade para os profissionais da área.
Mas em um ponto, Izabella perdeu a grande oportunidade de ficar calada: disse que as alterações do Código Florestal (uma violência à biodiversidade brasileira) servirão de maneira positiva para o cuidado com as espécies em extinção. Ela diz que os produtores serão incentivados a criar áreas de preservação em seus terrenos.
Como? Desmatando Áreas de Preservação Permanente, como topos de morros e encostas de rios? Provocando a erosão e a destruição completa de diversos ecossistemas essenciais à manutenção do equilíbrio natural?
Não podemos deixar que estas declarações escandalosas passem despercebidas. Vamos cobrar da Dilma que vete as alterações em nosso Código Florestal, atualmente um dos mais avançados do mundo. Retrocesso não!

Até amanhã, amigos!
 
¹ Fonte: EXAME.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Porto de Ilhéus: perigo que ronda o litoral baiano.

Uma das paisagens naturais mais lindas do litoral brasileiro está prestes a ser devastada. A cidade de Ilhéus, na Bahia, é considerada o cartão-postal da Costa do Cacau e está ameaçada pela construção de um porto.



Morro de São Paulo. Fonte: Morro de São Paulo by Jam.

O projeto foi transferido recentemente pelo governo da Bahia da Ponta do Tulha, área de preservação permanente, para o distrito de Ariguatá, ainda em Ilhéus. Mas de nada adianta esta mudança, segundo o Rima (Relatório de Impacto Ambiental) feito na região.
Segundo o blog Ambiental Sustentável, entre os principais problemas listados estão 29 impactos negativos ao ambiente físico da região, 36 ao bioma e 19 ao ambiente socioeconômico da área, já que a maioria das pessoas que lá residem trabalham direta ou indiretamente com a pesca.

Projeto do Porto Sul. Fonte: Bahia Notícias.
 
Ainda não há um estudo que comprove que a área é viável, embora o secretário de Planejamento do Estado diga que este será iniciado em breve.
O projeto prevê a interligação da Ferrovia Oeste-Leste (Fiol) a rodovias e a um aeroporto internacional; cerca de 4 mil moradores da região - a maioria pequenos agricultores - precisarão ser reassentadas; mamíferos marinhos provavelmente vão colidir com as embarcações (há histórico disso na região); cursos de rios e sedimentos costeiros serão alterados, provocando a morte de milhares de peixes e destruindo os ecossistemas de praia e mangue.
 
Morro do Pernambuco, na Praia do Cristo. Foto: Setur Ilhéus

O governo justifica essa atitude tresloucada sob o argumento de que vai atrair "desenvolvimento" para a região, bilhões, bilhões, e... bilhões. Parece que é só nisso que os governos estaduais têm pensado.
Desenvolvimento? Para quem? Às custas de que?
O turismo e a pesca vão acabar na Costa do Cacau, além de afetar toda a biodiversidade da região, como mostrou o Rima. Se o projeto destrói a economia interna e a qualidade de vida local, por que dar continuidade a essa insanidade?

Manguezal. Fonte: Preserve o que é nosso.

O governo já transferiu o projeto uma vez, se continuarmos fazendo pressão podemos conseguir que esta obra sem sentido (ou talvez tenha sentido para pouco$) seja interrompida.
Vou fazer uma petição virtual e encaminhar email ao Ministério Público da Bahia. Quando tudo estiver pronto, publico aqui para que você possa também fazer a sua parte.

Até amanhã, amigos! 




segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Testes e vivisecção em animais: crueldade em nome da "ciência".

Hoje, acordei sedenta por boas notícias. Mas não posso deixar de tocar em um assunto preocupante e diretamente ligado a todos nós: a vivisecção e os testes em animais. Aviso que as imagens são fortes, mas necessárias para que se compreenda a extensão do problema.


Macacos com medo após teste elétrico. Fonte: loveliveandcare.org

Nossa amiga Anita, do blog Cafofo da Katita publicou, além do belo post no link ao lado, uma lista com empresas que testam ou não seus produtos em animais. 
São muitos os testes "científicos" aos quais são submetidos cães, gatos, porcos, ratos, macacos, coelhos, porquinhos-da-índia e muitos outros animais. Para citar alguns, há o de colisão (automóveis); teste de irritação dos olhos (cosméticos); teste da dose letal (produtos de limpeza); teste de irritação dermal (cosméticos que têm em seus rótulos "dermatologicamente testado"); entre outros.
Cada vez que você compra um produto testado em animais, US$ 1,00 vai direto para as torturas praticadas em laboratórios.

Testes da indústria de cosméticos em coelhos e ratos. Fonte: redpillversusbluepill.com

Além de tudo, os testes em animais não são precisos porque eles têm organismos totalmente diferentes do humano. Aspirinas matam fetos de cães e gatos, mas mulheres grávidas podem tomar normalmente. Morfina tem efeito relaxante em seres humanos e cães, mas estressante em gatos.
No fim das contas, quem testa de verdade um medicamento, cosmético ou produto de limpeza é o primeiro consumidor que o compra nas prateleiras.
Hoje há uma enorme gama de reagentes químicos disponíveis, não existe a necessidade desses testes repulsivos. Não faz sentido algum que esse horror continue.
Algumas universidades também legitimam através de "aulas práticas" essa crueldade, nos cursos de Medicina, Educação Física, Psicologia, Odontologia, Veterinária, Química, Farmácia, Biologia e Bioquímica.
A prática da vivisecção (dissecação do animal VIVO) infelizmente ainda é muito comum no país. O Ministério Público do Paraná já encaminhou uma ação contra a UEM, que vem assassinando  cães da raça beagle em seus biotérios.
Há uma petição online que você pode assinar também para pressionar o reitor a tomar alguma atitude.
Portanto, se você ficou indignad@ como eu, não compre mais produtos testados em animais, cobre por telefone ou email uma mudança de postura por parte das empresas que ainda testam e divulgue a lista das empresas sem crueldade da PEA. Você também pode imprimir o panfleto com a verdade sobre os testes e distribuir às pessoas próximas.

"Não matarás", vídeo que mostra o horror da tortura com máscara de ciência.



domingo, 16 de outubro de 2011

"Captura das Baleias": vergonha dinamarquesa e mundial.

É sob muita dor e lágrimas que damos início a este post de hoje. Aviso que as imagens são fortes, mas precisam ser divulgadas para o mundo inteiro. Isso não pode continuar acontecendo, não podemos ficar calados.

Jovens dinamarqueses matando baleia com golpes de ancinho. Note que eles riem enquanto fazem a barbárie.

A crueldade retratada neste post começou em 1584 e é conhecida como uma festa, um rito de passagem. Crianças, idosos, mulheres, homens... Todos participam deste massacre.

Retrato do genocídio.

Nessa "festa" macabra, os dinamarqueses matam Golfinhos Calderon, Baleias Piloto e Baleias de Bico, para mostrar à sociedade que os jovens já são "homenzinhos".
A este banho de sangue deram o nome de "Captura de Baleias".
Aí vem aquele argumento: "não seja etnocêntrica, faz parte da cultura deles há mais de 400 anos". Crueldade não é cultura. Tourada não é cultura. Rodeio não é cultura. Farra do boi não é cultura. A caça anual às baleias no Japão não é cultura.
Tudo faz parte do instinto primitivo que o ser humano tem de destruir, como um vírus, a todo o lugar onde se instalou.

Mar de sangue.

Os Golfinhos Calderon, muito dóceis, aproximam-se dos "humanos" para brincar e interagir. Quando capturados, são cortados vivos com ganchos, ancinhos e facas. Não morrem instantaneamente, ficam agonizando e emitindo um som parecido com o choro de um bebê.
A inocência do animal frente à maldade humana nos levou às lágrimas quando assistimos ao vídeo que vou publicar abaixo.

Golfinhos Calderon esquartejados.

Os pobres golfinhos morrem lentamente, e sofrem com enormes feridas até morrerem sufocados com seu próprio sangue.
Todos os anos os dinamarqueses insistem em repetir esta carnificina e já não podemos mais assistir a isso calados e de braços cruzados.
Façam com que estas imagens e o vídeo abaixo circulem pelo mundo, divulguem esta realidade chocante a todos. Precisa haver uma lei (ou pacto, não sei) internacional que proiba de uma vez por todas essa monstruosidade anual.

Vídeo do massacre.




sábado, 15 de outubro de 2011

Ataques de tubarões na costa brasileira: o que você tem a ver com isso?

Ultimamente muitos ataques de tubarão tem sido registrados na costa brasileira, especialmente na região de Recife.
Muito natural que tubarões ataquem pessoas, a maioria diria. Não é.
Cardume de tubarões.

São muitos os fatores que atraem os tubarões a Recife.
O porto de Suape, construido na década de 1980, passou a ter movimento intenso de grandes embarcações a partir da década de 1990, e só então começaram a explodir os ataques na região. Segundo o biólogo Fábio Razin, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE),  "Parece haver uma correlação significativa entre o número de navios do porto e a ocorrência de ataques. Os tubarões reconhecidamente costumam seguir grandes embarcações".
Além disso, os barcos onde é praticada a pesca de arrasto de camarão despejam os restos da pescaria no mar, o que os atrai.
E o fator mais preocupante: um berçário de tubarões cabeça-chata (os que mais atacam aos humanos) foi destruído para a construção do porto. As fêmeas davam a luz na área de mangue que ficava onde foi feita a construção e de lá migravam para o estuário do rio Jaboatão, ao norte.
Já que a passagem foi interrompida, elas começaram a instalar-se em um banco de areia que se estende no mar a cerca de mil metros das praias da capital pernambucana. Entre essa faixa há um canal que mede entre 3 e 8 metros de profundidade onde há muita comida para seus filhotes, principalmente arraias.
Tubarão cabeça-chata.

O governo concedeu licença (ilegal, pois mangue é Área de Preservação Permanente) para a contrução, mas não pensou nas consequências para o meio ambiente e até para o turismo, que é um setor que sabemos ser até mais rentável que o portuário. O porto afeta até a gastronomia local, pois uma variedade muito grande de moluscos que vivem nos mangues simplesmente desapareceu.
É mais ou menos o que estão tentando fazer em Abrolhos, e já pudemos notar que as consequências são catastróficas.
Tubarão- tigre, a outra espécie que costuma atacar humanos em Recife.

Então, a responsabilidade pelos ataques dos tubarões é dos próprios humanos(?), aqueles que o povo elegeu para governa-lo.
Se você mora ou vai passear no litoral de Pernambuco, tome muito cuidado. Especialmente quando ventos vindos do sul ou sudeste sopram forte. Eles levam à costa os tubarões perdidos que seguem as embarcações do porto.

Até amanhã, amigos!



sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Dica de reciclagem: aparelhos eletrônicos.

Não é novidade que a indústria eletrônica produz novidades cada vez mais atrativas para o consumidor. O aparelho que é a última moda hoje daqui a seis meses dá lugar a outro modelo mais avançado, e assim o ciclo continua.
  A luta entre as indústrias.

Mas o que acontece com os equipamentos eletrônicos "obsoletos" que jogamos no lixo?
Primeiramente, é preciso que se saiba que a maioria das peças destes artigos tecnológicos traz consigo componentes carregados de metais pesados (como chumbo, cádmio, mercúrio e zinco), que por serem radioativos tornam-se extremamente perigosos ao contato humano e animal.
Estes elementos contaminam o solo dos lixões, que infelizmente são o destino dado à maioria dos resíduos nas cidades. E a contaminação desce até os lençóis freáticos e chega aos córregos e rios, o que afeta diretamente a qualidade da água e provoca doenças como o câncer, distúrbios neurológicos, dor generalizada, bronquite crônica e redução imunológica.

Funcionário da empresa Ecomicro separando os componentes das máquinas para reciclagem.
Foto: Reuters

E o que você pode fazer para evitar que isso aconteça?
Aqui em Belo Horizonte, por exemplo, há três alternativas: levar os computadores e peças velhas ao Centro Mineiro de Referência em Resíduos, que tem um programa de profissionalização com jovens de baixo poder aquisitivo, no qual eles aprendem a recuperar as máquinas quebradas; ou entrega-los ao PRODABEL, que faz uma atividade parecida; se você não tem carro ou tempo para levar suas máquinas até os lugares que citei, a empresa Emile, que vai gratuitamente à sua casa busca-las.



Procure na prefeitura da sua cidade ou até mesmo pela internet quais os postos de coleta disponíveis próximos a você.
Alguns fabricantes também já recebem seus produtos de volta e possuem programa de reciclagem. São elas: Nokia, Claro, TIM, Vivo, Sony Ericsson, Motorola, HP e Dell. Além disso, o Greenpeace (ele de novo!) fez um ranking dos fabricantes eletrônicos que tomam medidas sustentáveis.
Pronto! Agora não tem mais desculpa para jogar suas máquinas no lixo, hein?

Até amanhã, amigos.




quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Deixe as baleias namorarem!

Querem transformar o maior berçário de baleias Jubarte do mundo, o Parque Nacional de Abrolhos, em um poço de petróleo gigante.
Baleias Jubarte namorando.

Em 1983, quando ainda não se falava muito em preservação do meio ambiente, foi criado um Parque Nacional para garantir a preservação das espécies que lá vivem, tamanha é a sua importância nos setores da pesca e do turismo.
O Parque fica localizado na zona de maior biodiversidade da América do Sul, e é a este santuário ecológico que as Jubarte escolheram para dar continuidade à espécie, nos períodos de acasalamento.
Vista aérea de parte da área do Parque Nacional de Abrolhos.

Em 2003, esta área foi loteada pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) e agora dez empresas nacionais e estrangeiras estão preparadas para começar a exploração dos treze poços concedidos pelo governo. Concessão esta que é ilegal, pois o lugar pertence a uma uma APP (Área de Preservação Permanente).
As empresas são:  Petrobrás, Vipetro, Perenco, OGX, HRT, Shell, Vale, Cowan, Sonangol e Repsol.¹

Ativistas do Greenpeace em Abrolhos durante o mandato do presidente Lula

Diante desta situação alarmante, o Greenpeace lançou a campanha "Deixe as baleias namorarem", na qual pede uma moratória na exploração de gás e petróleo, estabelecendo uma zona de segurança de 93.000km² ao redor do Parque Nacional.
O link acima abre o site onde você pode assinar a petição online, que será levada às empresas e autoridades.
Sugiro também que enviemos emails a essas empresas e à presidenta por conta própria, para que eles sintam a pressão da sociedade e voltem atrás nesta decisão arbitrária e contrária aos interesses do mundo inteiro. Decisão esta que foi tomada com o propósito claro de encher os bolsos de uns poucos em detrimento de todos nós, humanos ou não.





quarta-feira, 12 de outubro de 2011

"Ouro de sangue": garimpos ilegais invadem território Yanomami.

As aldeias Yanomamis têm sido diariamente ameaçadas em diversos diretos básicos concedidos a qualquer cidadão brasileiro. Desde os anos 80, garimpeiros que trabalham em minas ilegais levam doenças, mortes e destroem a floresta amazônica.
Criança Yanomami.

Os joalheiros da região dizem abertamente não se importar com a origem do ouro que recebem. Na reportagem do Fantástico deste domingo, um ex-policial federal assume comandar o comércio de toda a região.
E a PF, as Forças Armadas, o que têm feito para defender nossas florestas e as terras dos mais antigos habitantes das Américas? NADA.

Garimpo ilegal em aldeia Yanomami.
Nossas fronteiras são historicamente vulneráveis, sabemos que todo tipo de crime acontece nessas regiões. Como todo e qualquer brasileiro sabe disso, mas o governo nunca sabe, nunca vê?
Quais interesses escusos e graúdos estão por trás dos garimpos ilegais, do tráfico de animais, de drogas, de armas, de plantas e de pessoas?
São 16000 km de fronteiras sem nenhum tipo de fiscalização. Isso NÃO acontece em nenhum país que tem a ambição de se dizer desenvolvido.
É dever do poder público garantir a dignidade da pessoa humana e o direito fundamental de acesso às nossas riquezas naturais, tais como são.
Homem Yanomami e seu filho.
Como qualquer ser humano, os indígenas querem paz. Liberdade para viver sua cultura milenar, em contato com a natureza em equilíbrio.
Além de ser um problema sócio-ambiental grave, é uma questão de saúde pública. Cerca de 10% da população das aldeias Yanomamis (segundo as estimativas oficiais) foi dizimada pelas doenças trazidas pelos garimpeiros, contra as quais os índios não tinham qualquer defesa natural.
Isso sem contar as mortes provocadas pelos conflitos contra os invasores.
Cacique e crianças Yanomami.
Desde 1500 é assim. Quando vamos começar a evoluir um pouco e respeitar o outro? Quando o governo federal vai se preocupar de verdade com os brasileiros? E, principalmente, quando vamos começar a agir contra esses absurdos?

Até amanhã, amigos.